Home Críticas em quadrinhos Revisão do cemitério por Erik Kriek

Revisão do cemitério por Erik Kriek

0
Revisão do cemitério por Erik Kriek


The Well, da cARTEm Comics, é a segunda história em quadrinhos de Eric Crick, que conta uma história fascinante e misteriosa nas florestas holandesas.

Eric Crick em sua primeira história em quadrinhos: O Exílio, também publicada pela cARTEm Comics, mas nesta segunda história em quadrinhos, O Túmulo, sai do século X para contar uma história contemporânea na Holanda, terra natal do autor.

“Eu tentei avisar você! É tarde demais agora! Ninguem pode ajudar VOCE…”

Makda

As Murder Ballads deste autor são um gênero único, tanto anteriores quanto posteriores, como ele mostrou brilhantemente em suas séries anteriores. Uma ideia do que pode acontecer por trás da tampa do túmulo.

Mistério nas florestas de Velue

Huub e Sarah Kuider são um casal que deixou a cidade de Amsterdã e vive no campo, onde Huub herdou uma casa de família de seu tio. Ambos são ótimos funcionários, Huub é um arquiteto com vasta experiência e Sarah é uma artista apresentada em uma grande galeria. Após a morte do filho Rúben, eles decidiram se mudar para outro lugar e tentar reconstruir suas vidas.

Para lidar com a perda do filho, Hub está em um abrigo para trabalhar, mas Sarah não consegue retomar os pincéis por falta de criatividade. Além disso, a paz é constante em Oldenhove, rodeado pelas majestosas florestas, carvalhos e bétulas que compõem o Veluwe.

Nos fundos da nova casa, o casal encontrará árvores com casca esculpida, onde aparecerão runas e outros símbolos que chamam a atenção dos cônjuges. Também foram encontrados cadernos e notas escritas pelo bisavô de Huub sobre a restauração da casa, com símbolos e textos semelhantes em islandês.

“Sem que ele soubesse, o tempo passou. Esses cadernos do seu tio-avô são incríveis…”

Sara Kuylder

A consternação dos vizinhos com a sua propriedade, quando Magdalena profere maldições e pesadelos sobre Sarah, deixa-a com medo e ela acredita que vale a pena chegar à sua nova casa. A partir de então, eventos inexplicáveis ​​começam a ocorrer e o mistério e a tensão se destacam na atmosfera, trazendo uma tempestade de situações terríveis para a vida de Sarah e Hub.

O autor

Eric Crick, assim como na graphic novel anterior, faz todo o trabalho artístico de The Tomb, realizando um trabalho incrível, começando pela capa. Na capa, além da ilustração posterior, é possível entender o mistério que conta a história, o segredo escondido na floresta com a atriz protagonista Sarah.

O roteiro de Crick segue uma série de flashbacks que explicam lentamente o casamento e a morte de Reuben em sua infância. Aqui também são mostrados os personagens secundários e sua relação com os personagens principais, o que mostra sua compreensão do casal e sua relação com eles.

O profundo desenvolvimento dos personagens nos permite criar uma história de mistério com muitas estratégias de terror psicológico porque… o que é o horror que se vê, mas não se vê? Dessa forma, a ação é narrada, apresentando as tramas que aumentam o mistério, mesmo quando a névoa da suspeita começa a se espalhar pela floresta.

Cartem Comics, Quadrinhos Europeus, Graphic Novel, Thriller, VelueCartem Comics, Quadrinhos Europeus, Graphic Novel, Thriller, Velue

A foto do autor é muito impressionante, ele enfatiza quem está próximo, mas sem ignorar o pano de fundo de Vint. Cada personagem possui características bem definidas que os distinguem, mas suas ações são fortemente expressas. Seus personagens demonstram seus sentimentos e os transmitem diretamente ao leitor, que sofre, se acalma ou entra em pânico, dependendo do violeta que for.

O fundo das vinhetas não é descurado e as florestas, em vez de calmas, mostram um certo repouso apesar da beleza da paisagem florestal. A floresta é representada como verdadeiras “árvores dançantes”, Speulderbos – perto da cidade holandesa de Garderen -, devido ao formato sinuoso dos troncos com vários grandes cogumelos elfenbankjes – assentos de fadas – sobre eles.

Cartem Comics, Quadrinhos Europeus, Graphic Novel, Thriller, VelueCartem Comics, Quadrinhos Europeus, Graphic Novel, Thriller, Velue

O colorido e a cor elevam esta obra de Eric Crick, definindo o lápis e puxando-o com a paleta escolhida pelo autor. Nesta novela gráfica predominam os tons ocres acompanhados de tons escuros noturnos, criando uma atmosfera outonal muito adequada para Fossa.

As cores mais associadas ao outono são laranja, vermelho, amarelo e marrom, pois a cor sazonal das folhas muda conforme a temperatura cai e a luz do dia diminui. Terminando no equinócio de inverno, há um pôr do sol progressivo, aqui acompanhado de cores como o preto ou o verde meia-noite, combinando com a história que o autor está desenvolvendo.

Cartem Comics, Quadrinhos Europeus, Graphic Novel, Thriller, VelueCartem Comics, Quadrinhos Europeus, Graphic Novel, Thriller, Velue

Os tons de amendoim evocam emoções fortes, pois podem atrair rapidamente a atenção do leitor, pelo paradoxo de aparecerem cores quentes e suaves, mas muitas vezes causam cansaço e cansaço visual, além da característica de criação de material relacionado. Lugar. Terrestre. Na cosmologia da Grécia e de Roma clássicas, bem como de outras partes do mundo, como o México, o ocre significava a vida divina e nova.

Com isso, Eric Crick usa a cor vermelha de forma ambígua, mostrando felicidade e perigo. Use o laranja como energia vital, criatividade. Preto, representando mistério e magia. Os tons roxos, cor poderosa criada a partir da combinação do vermelho e do azul, os conectam à história protestante do Tio Hub, pois representam sabedoria e amor, semelhante à sua cor primária.

Versão engraçada do CARTEm.

A editora CARTEm publicou La Fossa em um volume de 148 páginas, com capa dura e tamanho 21 x 28,5 centímetros, o que permite ao leitor desfrutar de toda a obra de Eric Crick; Traduzido por Irene de la Torre.

The Well da cARTEm Cómics é uma ótima leitura, com o maravilhoso Eric Crick em todas as suas vertentes, o que permite ao leitor mergulhar em uma história de mistério que vale a pena reler mais de uma vez, pois os personagens podem não ser o que parecem . ou seja tão claro quanto você acha que a história é. Na verdade, a conclusão da obra é apoteótica, pois permite que um mistério inusitado se revele como inusitado, afinal, Crick é mestre em contar baladas e contar ao leitor em sua obra Fijne dag verder! -Tenha um bom dia!-.

Cobrindo o poço Eric CreekCobrindo o poço Eric Creek

O poço

Um thriller psicológico com elementos sobrenaturais

No coração das densas e misteriosas florestas de Velue, Hub e Sarah Cuylers embarcam em uma jornada emocionante após perderem seu filho Reuben em um acidente de trânsito.

Formado por um arquiteto e um artista, este casal busca um recomeço longe do ciclo de dor que tem consumido suas vidas. A escolha do refúgio é uma relíquia do falecido tio que lhes promete um santuário de paz e reconstrução.

Contudo, a perspectiva de estabilidade é rapidamente ofuscada por segredos e tensões ocultas. Concentrando sua energia na praticidade do trabalho e do movimento, Hub tenta criar uma sensação de normalidade. Sarah, por outro lado, está em uma luta constante para encontrar o caminho de volta à luz, uma batalha que a leva a encontrar um livro manuscrito cheio de escritos e símbolos incompreensíveis.

Estas marcas, juntamente com as estranhas marcas nas faias circundantes, sugerem que existem forças desconhecidas à espreita nas sombras da sua nova casa.

Para aumentar o mistério está o aparecimento de uma velha que alerta sobre entidades sombrias que vivem na floresta, um aviso que Sarah opta por ignorar devido, em parte, à sua luta interior e à sua decisão de parar de tomar medicamentos. Esta escolha desencadeia uma série de visões (ou alucinações) que confundem a linha entre a realidade e o horror psíquico, empurrando o casal para um abismo de desconfiança e medo.

Entre o duelo e as sombras

Com um distinto toque contemporâneo e localizado no cenário inusitado do Dutch Velue, alimenta-se de uma atmosfera que lembra as obras de HP Lovecraft.

Através da narrativa sobrenatural do desespero humano, constrói-se uma tensão que proíbe revelações diretas, deixando o leitor constantemente inquieto. A escuridão se apresenta não apenas no tema, mas também no estilo visual adotado por Eric Crick, cujas páginas são repletas de sombras e imagens que evocam uma sensação de pavor.

Esta história, mais do que uma simples história de terror, torna-se um estudo sobre a dor, a perseverança e a natureza indomável do espírito humano diante de probabilidades desconhecidas. Através dos olhos de Hub e Sarah, nos deparamos com a questão de saber se é possível encontrar luz em meio às sombras profundas.

Com elementos que lembram a “Zona Crepuscular”, convida-nos a refletir sobre os mistérios que nos rodeiam, sugerindo que podem existir verdades que permanecem inexploradas. É uma exploração comovente da perda, do amor e da busca por esperança. À medida que os limites entre a realidade e o paranormal se confundem, somos lembrados do poder e do custo potencial de confrontar mistérios além da nossa compreensão.

0:00
0:00