Furiosa: do anime ao cinema, uma história que vai além de Mad Max: Fury Road

0
17
mad max furiosa


Descubra como a introdução da Furiosa ao novo episódio de Mad Max será animada primeiro.

Nas profundezas do universo cinematográfico, onde as ideias fluem e mudam na mesma velocidade que os carros de Mad Max, surgiu um projeto que espera pacientemente há 15 anos. Estamos falando de Furiosa, cujas expectativas podem ser muito diferentes do que os fãs de prequel esperam hoje.

O que muitos não sabem é que Furiosa foi originalmente concebida como um projeto de anime antes de se tornar foco do próximo grande filme da saga Mad Max. A revelação vem diretamente dos produtores Doug Mitchell e do cineasta George Miller. A história estava pronta muito antes de este último compartilhar Fury’s Road. “Furiosa estava narrativamente pronta há 15 anos”, disse Mitchell em entrevista à Total Film. Desde então, vem borbulhando, fermentando e se transformando no que se tornará o próximo capítulo da franquia na mente de George.

Nervoso

Um anime chamado ‘The Peach’

Originalmente intitulado The Peach, o anime conceitual Furiosa foi dirigido por Mahro Mada, nome respeitado na indústria de anime, com seu trabalho na série Neon Genesis Evangelion do anime e em um dos curtas do Animatrix. Essa direção artística teria dado à saga um estilo e uma narrativa completamente diferentes, explorando o deserto árido e a complexa dinâmica de poder de Mad Max através de um prisma diferente.

Com o passar do tempo e após o aclamado Fury Road, a visão de Furiosa evoluiu para uma produção live-action. George Miller decidiu que a história da jovem Furiosa, interpretada por Anya Taylor-Joy, deveria ser contada nas telonas com Chris Hemsworth, que interpreta o vilão Warlord Dementus. A sinopse oficial nos diz que Furiosa é arrancada de sua casa e tem que viver em um mundo cruel enquanto encontra seu retorno.

Irritado, louco, altoIrritado, louco, alto

Um elenco estelar para uma jornada incrível

O filme promete ser um espetáculo visual e emocional, com Anya Taylor-Joy e Chris Hemsworth na liderança. George Miller, referindo-se ao elenco de Taylor-Joy, se inspirou em sua atuação em Last Night in Soho, de Edgar Wright, comentando: “Ela seria perfeita para isso. A adição posterior da presença de Hemsworth promete trazer profundidade inesperada ao antagonista da história.

Então o que começou como ideia para um anime se transformou em uma das séries mais esperadas do cinema de ação. Furiosa não só expande o já familiar universo Mad Max, mas também promete reinventar a forma como as histórias de sobrevivência e resiliência são contadas num mundo pós-apocalíptico. Com um elenco estelar e uma história amadurecida ao longo de uma década, este filme está pronto para deixar sua marca tanto em fãs antigos quanto em novos públicos.

A transição da Furiosa de uma ideia de anime para uma grande produção cinematográfica mostra o crescimento criativo e a persistência na indústria cinematográfica. Esta jornada de 15 anos nos mostra que algumas histórias levam tempo para atingir seu verdadeiro potencial. E para os fãs de Mad Max, com certeza vai ficar.

Irritado, louco, altoIrritado, louco, alto

Um legado recriado

Furiosa não é apenas mais uma personagem no vasto panorama dos heróis pós-apocalípticos; Ela é uma figura que redefine a resistência das mulheres num género dominado pela masculinidade masculina. Apresentado pela primeira vez em Fury Road, sua história agora se aprofunda, revelando não apenas sua força física, mas também sua complexidade emocional e estratégica. Esta expansão da personagem promete explorar as camadas que fizeram dela a líder taciturna e temida que os fãs conhecem e admiram.

Além disso, como anime, seu foco original teria oferecido uma narrativa visualmente distinta, o que poderia ter enriquecido a formação emocional e cultural do personagem. Comparando-a com outras personagens femininas populares do cinema, como Ellen Ripley de Alien ou Sarah Connor de Terminator, Furiosa evoluiu de sobrevivente para conto de fadas. Este foco no desenvolvimento é essencial para se conectar com públicos que buscam uma voz mais profunda e emocional nos arquétipos culturais.