Uma crítica do inferno

0
25
Une critique de l'enfer


O assassino do início do século 20 continua sendo um dos mais famosos da história. Há mais serial killers por aqui do que apenas Jack, por isso não se destaca nem pelo número de vítimas nem pela brutalidade com que são exterminados. Foi o incentivo da imprensa sensacionalista londrina que fez deste ditador inescrutável, se é que realmente existiu, uma figura formidável que tornou eterna a sua popularidade.

No ano Na década de 1970, o autor Stephen Knight publicou Jack, o Estripador: a solução final, que descreveu os assassinatos de cinco prostitutas na era vitoriana de Whitechapel como resultado de uma conspiração familiar. O artista Walter Sickert concluiu que o objetivo principal era encobrir o casamento secreto do príncipe Albert Victor e da humilde Annie Elizabeth Crook, com o famoso médico William Gull responsável pelos crimes.

Embora com o passar do tempo esse conceito tenha sido rejeitado e ridicularizado, é muito interessante desenvolver tramas interessantes baseadas nele. Mas Alan Moore não se contentou em trazer essa teoria maluca para os desenhos animados, o roteirista britânico pensou em ir muito além…

Mostrando a imagem de Victoria

O estilo agressivo de Eddie Campbell serve perfeitamente para retratar a sociedade da época em que esta história se passa. Como o ghoul da peça, Moore possui a habilidade sutil de dissecar fria e analiticamente uma sociedade nada invejável. Não há heróis aqui, nem Heather Graham Sane Johnny Depp atuando como o profeta do assassino como aconteceu na adaptação cinematográfica desta obra.

Mas não satisfeito com a realidade contemporânea do ponto de vista socioeconômico e até arquitetônico, o roteirista entrou na mente do monstro para encontrar algo longe de um simples caminho psicológico, e assim a compreensão da figura até os anos 2000. No início dessa jornada infernal, chega o ponto de transformar a história em algo que o leitor talvez não esperasse.

Por fim, num exercício metacômico, Moore aproveita para responder aos acontecimentos de 1888, não apenas sobre a celebridade de Jack, mas também sobre todas as pessoas que seguiram seus passos nas décadas seguintes. Ele saiu, misturando história, fato e ficção.

Alan Moore, Do Inferno, Planeta Comic

Trabalho eterno

Tal como acontece com o nosso personagem nos momentos finais, é uma façanha que Kehl conseguiu se colocar em um nível lendário que é suficiente para sustentá-lo no nono mundo da arte. . Não importa quão contraditória seja esta jornada na escuridão humana, a natureza perturbadora dos eventos narrados é verdadeiramente uma experiência emocionante e uma delícia para os amantes de quadrinhos.

Publicada pela Planeta Comic, esta história em quadrinhos é apresentada em capa dura, sem sobrecapa. Contém 592 páginas em preto e branco medindo 16,8 x 25,7 cm. E a edição original de cada número desta série, traduzida por José Torralba Aveli, além das capas originais de todos os números incluídos e uma completa e interessante seção de extras. Tem um preço de venda recomendado de 40€ e estará à venda em abril de 2024.